Estou grávida e desesperada. O que fazer?3 minutos de leitura

por Nove Meses

A possibilidade de ter um filho ou rejeitar uma criança assusta muitas mulheres, mas é preciso pensar em todas as possibilidades.


Muitas mulheres se sentem julgadas por desejar o aborto diante de uma gravidez indesejada, outras são pressionadas ou coagidas a tomar atitudes impensadas.

Nesses casos, é difícil até mesmo pedir ajuda às pessoas mais próximas e há muito medo de rejeição e julgamento ao se pensar em tocar em temas como o aborto, o que dificulta a tão necessária ajuda nesse momento.

Quando há medo, a gravidez parece mais um pesadelo do que um motivo para se comemorar. O problema é que diante de emoções fortes é possível que as pessoas tomem decisões apressadas, impulsivas, sem medir as consequências e os impactos para sua vida, saúde e futuro.

Apesar do turbilhão de emoções causado por uma gravidez indesejada, inesperada ou de risco, é preciso fazer boas escolhas. Se você está passando por isso, deve se acalmar e buscar ver com clareza a realidade, ponderando os riscos, consequências e desafios antes de decidir.


Quem pode me ajudar?


Tomar decisões sozinha quando se está muito abalada não é uma boa opção, ainda mais quando elas podem mudar sua vida de maneira definitiva. É bom escutar alguém de confiança e conhecer bem os temas referentes à gestação, à maternidade e até à interrupção da gravidez para seguir em frente de forma acertada.

A depender de sua realidade, você pode conversar com seu companheiro, com um familiar, um amigo, um conselheiro, uma pessoa de fé, um terapeuta ou alguém que seja um exemplo ou referência para você e que costume demonstrar prudência, bom-senso e sabedoria.


E se não estou mais dando conta de seguir adiante?


Por vezes, o peso que se carrega é tão grande que é preciso procurar ajuda junto a um profissional da saúde. Não se envergonhe de procurar auxílio especializado de um psicólogo ou psiquiatra.

O projeto do SUS implementado pelo Ministério da Saúde em Parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV) para casos de depressão profunda ou risco de suicídio é uma boa opção. A mensagem é que a sua vida é preciosa, e que é indispensável cuidar primeiro de você. Caso precise, disque 188.

Além disso, é muito importante que você conheça todos os seus direitos. Existem garantias legais e civis que resguardam as mulheres grávidas, como as normas trabalhistas especiais para as mulheres gestantes e as garantias de assistência social e saúde a que as grávidas têm direito no Brasil.

Se ninguém sabe de sua gravidez, e você não tem com quem contar, converse conosco. Garantimos privacidade e sigilo.

O site NoveMeses.org foi pensado para buscar junto contigo a melhor solução para a situação em que você se encontra, por mais difícil que seja. Entre em contato com a equipe de acolhimento Nove Meses agora mesmo.

0 Comentário

Você também pode se interessar por:

Envie o seu comentário